quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Star Wars e o problema da predestinação

Artigo escrito pela psicóloga Fernanda Guimarães e pelo Especialista em Sociologia Roberto Guimarães.


Um dos temas centrais de Star Wars é a Força. Desde os primeiros episódios lançados, a Força diferenciava as pessoas comuns dos cavaleiros Jedi. Quem não se maravilhou com os poderes extraordinários que tais cavaleiros eram capazes de demonstrar? Mover objetos com o pensamento, dominar mentes, combater às cegas eram algumas das façanhas que faziam os espectadores sonharem em se tornar cavaleiros Jedi.
Nos episódios IV, V e VI, a Força tinha um caráter místico, sua natureza não estava determinada. Parecia-nos ligada à dedicação do guerreiro no desenvolvimento de suas habilidades, ou seja, dependia, aparentemente, do esforço realizado pelo indivíduo em seu aprimoramento pessoal. Isso possibilitava ao espectador acreditar que qualquer pessoa podia se tornar um cavaleiro Jedi e valorizava o esforço como meio para chegar lá. Portanto, a mensagem que tais filmes deixavam para nós era a de que mesmo o mais comum dos seres poderia ser protagonista de grandes feitos desde que se empenhasse. Quando nos entendemos capazes de transformar o mundo, agentes da realidade, temos motivação para buscar os meios de fazê-lo.
Foi então que apareceu o conceito de Midi-chlorian, introduzido pela primeira vez no episódio I. A então mística Força se tornava científica; traduzia-se em manifestações geradas por micro organismos que viviam nos indivíduos. Isso quer dizer que o indivíduo possuidor de muitos Midi-chlorians era mais afetado pela Força. Porém, a quantidade de Midi-chlorians no indivíduo era predeterminada desde seu nascimento. Não cabia a ele mudar; em verdade, ele nada podia fazer para mudar. Era questão de sorte, ou genética. Defender a honra, combater a injustiça, melhorar o mundo já não era mais tarefa para todos aqueles que perseveravam em seus treinamentos; restringia-se aos que aleatoriamente tinham sido agraciados com uns bichinhos poderosos no sangue. 

Todas as imagens utilizadas nos artigos foram extraídas do Google Imagens